Aluno de escola de Quatro Barras se perde em evento esportivo; mãe procura entender o que aconteceu



A diarista Tatiane Ferrari, mãe de um aluno da Escola João Curupaná da Silva, em Quatro Barras, procura entender o que aconteceu com o seu filho depois dele ter participado de uma atividade esportiva fora do ambiente escolar na manhã deste domingo (1). Em contato com a nossa reportagem, Tatiane relatou que passou por momentos de desespero ao saber que o filho havia desaparecido no evento, e o pior, nem os professores ou coordenadores da escola sabiam ao certo aonde ele poderia estar.

Segundo a diarista, o filho de apenas 7 anos foi convidado a participar com os demais alunos da escola de uma corrida estudantil marcada para acontecer nas dependências da Unibrasil, no bairro Tarumã, em Curitiba. Um ônibus foi disponibilizado pela prefeitura para levar e trazer os estudantes, com horário de saída e chegada pré-determinados. Cerca de sete professores e alguns pais puderam acompanhar seus filhos durante a viagem e enquanto ocorriam as atividades.

Perto das 13h, quando os alunos retornaram à escola, a mãe que aguardava em frente à unidade escolar foi comunicada que o filho não estava mais presente no ônibus. “Disseram que ele tinha ido embora na companhia de um homem que se apresentou como sendo pai de um de seus amigos da escola. Cheguei a ir até a casa desse pai para buscá-lo, mas para meu desespero, nem ele e nem seu filho tinham saído de casa para ir ao evento”, disse Tatiane.

Conforme relatou a diarista ao Linkada News, somente próximo das 15h, foi que ela recebeu a notícia que seu filho havia sido localizado no bairro Tatuquara por uma professora de uma escola de Curitiba que também participou do evento esportivo. A mãe acredita que o filho, pela pouca idade, pode ter embarcado por engano em um outro ônibus, mas não descarta que houve falha por parte das professoras.

"Fiquei agoniada. Quase três horas sem ter notícias do meu filho, pensei no pior. Eles acabaram confiando em uma conhecida minha que foi junto no ônibus com o filho dela, mas o fato é que deixei bem claro, que o responsável era a escola, pois havia deixado meu filho sob os cuidados dos professores e não dessa minha conhecida. O pior é cada um fala uma coisa sobre o sumiço dele e até agora eu não sei quem está falando a verdade”, conta Tatiane. A diarista afirma que o filho contou à ela que teria ido ao banheiro e ao retornar não localizou mais o ônibus com as professoras e os colegas.

Em contato com a Secretaria de Educação de Quatro Barras, a coordenadora do Programa Mais Educação, Monique Bossardi, que também acompanhou a viagem das crianças até o evento disse que o menino se perdeu do grupo quando eles se preparavam para retornar à escola. "Ele esteve o tempo junto com os demais alunos. Deram falta dele quando estavam colocando as crianças para dentro do ônibus. Imediatamente, ao perceberem seu sumiço, as professoras saíram a procura dele em todos locais possíveis, mas não o encontraram”, contou Monique.

Após as buscas, a coordenadora conta que em consenso com os demais professores achou por bem ir embora com os alunos até a escola, pois a criança perdida poderia ter embarcado em outro ônibus com destino à Campina Grande do Sul ou Quatro Barras. "Mais de 200 alunos do município participaram desse evento, 110 só da Escola João Curupaná. Boa parte dos pais acompanharam seus filhos no evento, mas nem por isso deixamos de lado a nossa responsabilidade como escola em monitorá-los. Antes de partirmos verificamos cada canto da universidade e só depois de termos a certeza que ele não estava lá, é que fomos embora. Nossa esperança era que ele tivesse embarcado em um outro ônibus com destino à nossa região", comenta.

Em conversa com o Linkada News, a secretária de Educação de Quatro Barras, Cleusa Zanchettin, confirmou que houve uma falha e afirmou que vai tomar medidas mais eficazes a fim de evitar que fatos como esse se repitam em eventos fora da escola. “Foi uma fatalidade, sem dúvida. Tratamos os alunos como sendo nossos filhos e quando isso acontece é algo muito grave que aponta algumas falhas que temos que consertar. A gente não se exime desse erro que poderia ocasionar algo muito pior”, lamentou a secretária, que agora estuda com a equipe da Educação novas formas de monitoramento de alunos em grandes eventos fora da escola.

A secretária pede aos pais, que apesar do ocorrido, que eles não deixem de incentivar seus filhos a participarem dos eventos escolares. "É importante que os pais confiem na instituição de ensino e não deixem que esse fato manche toda uma trajetória que a escola tem com os seus alunos. Atividades extracurriculares são importantes para a socialização de nossas crianças", completa.

(Foto: Adilson Santos)


1/1

1/1

1/3

1/1

1/6