495450580893305 Funcionários se revoltam com interdição e fazem ato de apoio a casa de acolhimento em Colombo

Funcionários se revoltam com interdição e fazem ato de apoio a casa de acolhimento em Colombo



Após o anúncio de interdição de uma casa de acolhimento de Colombo, funcionários e voluntários de toda a Rede de Instituições de Acolhimento da Grande Curitiba (RIA) realizaram um ato de apoio à instituição nesta quinta-feira (3). A casa foi fechada a pedido do Ministério Público do Paraná (MP-PR), diante das denúncias de que medicamentos de uso controlado estavam sendo usados para controlar o comportamento das crianças que se mostravam contrárias às ordens disciplinares.

A casa de acolhimento não teve o nome divulgado pelo fato do processo correr em segredo de Justiça. “A RIA se solidariza com a instituição interditada pela Justiça (…) A instituição em questão é tida como modelo para as demais casas de acolhimento. Conta com equipe fixa de funcionários, além de voluntários que dedicam seu tempo para atender crianças e adolescentes que foram afastados dos pais por violência doméstica, abuso sexual e outros casos graves”, diz manifesto enviado à imprensa.

Ainda segundo o manifesto, a casa conta com convênio da FAS e o apoio de parceiros fixos e esporádicos para manter uma estrutura que atende 30 crianças e uma equipe de 18 funcionários. “Todas as crianças frequentam escola – seja pública ou particular. No último caso, a instituição procura escolas que possam oferecer bolsa de estudo para atender as crianças”, conclui o documento.

Segundo o MP-PR, a casa de acolhimento foi interditada por determinação da Vara da Infância e da Juventude da cidade. A decisão judicial foi proferida em resposta ao pedido de apuração de irregularidades, apresentado pela 4.ª Promotoria de Justiça do Foro Regional de Colombo. Segundo as investigações, estavam acolhidas na casa 30 crianças e adolescentes, com idade entre zero e 12 anos, dos quais dez (que têm entre 6 e 12 anos) faziam uso de medicamentos controlados, de forma contínua. Destaca-se que tais substâncias são capazes de causar dependência física e psíquica. Todas as crianças e os adolescentes que estavam no local estão sendo transferidos para unidades de acolhimento de Curitiba.


1/1

1/1

1/6

1/1

1/1