495450580893305

Greve de cobradores com muitas surpresas na região


Da Redação

Quem reside em Quatro Barras, Campina e parte de Colombo e precisou pegar ônibus nesta quinta-feira (26) teve muitas surpresas com a greve restrita apenas aos cobradores. A primeira foi logo cedo com os ônibus que circulavam com as catracas livres, ou seja, muitos passageiros mesmo com o cobrador, não pagaram a passagem e entraram pela porta detrás dos coletivos. Apesar da “gratuidade” alguns carros no período da tarde começaram a cobrar o valor de R$ 3,05 da passagem, o que deixou muitos usuários confusos sobre um possível fim da greve.

Segundo informações de passageiros, os coletivos também apresentaram atrasos e, em alguns casos não cumpriam o itinerário. Com isso muitos trabalhadores acabaram chegando atrasado ao trabalho ou compromisso. Mas a surpresa maior veio por volta do meio-dia quando boa parte das linhas da Viação Castelo Branco e de outras empresas que atendem a Região Metropolitana pararam de circular e quem precisou voltar pra casa teve que esperar por quase duas horas para conseguir um ônibus.

Segundo informou a Viação Castelo Branco, o motivo para falta de coletivos em determinados horários foi porque a empresa não permitiu que os carros deixassem a garagens sem os cobradores, além disso, alguns motoristas também aderiram a paralisação. “Mesmo sem cobrança da passagem, os cobradores deveriam auxiliar no desembarque dos passageiros, pois são eles que comunicam ao motorista o momento do fechamento das portas. O motorista nem sempre consegue ter uma visão de quem está descendo, principalmente quando o ônibus está cheio”, explicou chefe de tráfego da Viação Castelo Branco, Luciano Ruthes, sobre a necessidade dos cobradores estarem no coletivo.

Outro receio das empresas em deixar ou não os ônibus circularem estaria ligada a representantes do Sindimoc e até mesmo passageiros, que estariam ameaçando a integridade física dos profissionais, além disso, houve rumores de possíveis atos de vandalismo contra os coletivos.

(Foto: Adilson Santos)

#greve #ônibus #cobradores #motoristas

1/1

1/10

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/2