495450580893305 Médico atira e mata cadela em Pinhais; internautas se manifestam nos "faces" dos hospitais

Médico atira e mata cadela em Pinhais; internautas se manifestam nos "faces" dos hospitais



O caso do médico que atirou e matou uma cadela de rua em Pinhais vem sendo um dos assuntos mais comentados nas redes sociais nesta semana. O fato aconteceu na última segunda-feira (30) enquanto mulheres ligadas a uma ong de proteção animal davam de comer uma cachorra batizada de Gracy, na Estrada Ecológica, localizada nos fundos do condomínio Alphaville Graciosa.

A ação por parte do médico ocorreu depois que ele se mostrou irritado com o gesto das voluntárias que alimentam cães abandonados pela região. O médico que mora nas proximidades do ocorrido, teria dito às protetoras que parassem de alimentar os animais, pois a quantidade de cães estava deixando os moradores incomodados. Foi então que ele sacou uma arma e atirou contra a cachorra na presença das voluntárias.

Em um vídeo gravado pelas protetoras Patrícia Almeida e Juliana Clara, que circula pelas redes sociais, elas descrevem ainda que foram ameaçadas de morte pelo médico, que teria prometido voltar e matar os demais cães. A confusão, segundo elas, teria se iniciado dias antes depois de uma postagem de uma moradora no facebook, que disse ter sido atacada pelos cachorros de rua. CLIQUE AQUI para ver o vídeo completo. O caso foi parar na delegacia do município depois que as voluntárias denunciaram o médico à polícia.

O médico se apresentou à delegacia e alegou que atirou em “legítima defesa”, já que em sua versão, a cachorra foi quem o atacou primeiro. No mesmo dia em que compareceu à unidade policial, o médico entregou uma pistola calibre 380, que teria sido usada para matar o animal.

O médico possuía registro do armamento, mas não o porte, segundo informou a Polícia Civil. Para o caso, ele além de ser autuado pelo crime de maus tratos de animais, também recebeu a autuação por porte ilegal de arma de fogo. O médico foi liberado em seguida e responde em liberdade.

Manifestação online

Se não bastasse o ato restrito por parte do médico, os hospitais em que ele trabalha, desde o dia em que tudo aconteceu, estão sendo alvo de várias manifestações online, vindas de pessoas que se mostram indignadas com a atitude do funcionário.


A página do Hospital Angelina Caron, no facebook, é a que vem recebendo o maior número de comentários. Nas publicações, anônimos pedem um posicionamento do hospital, que fica em Campina Grande do Sul, e exigem que o colaborador seja afastado de suas funções. "Uma instituição que mantém em seu quadro de funcionários um exterminador de animais, compactua com os modos operantes dele", desabafa uma internauta.

Em outras postagens, internautas intitulam o médico como 'assassino de cachorros'. "Animais merecem tanto respeito e compaixão quanto um ser humano. Esse demônio não demonstrou nenhum e nem outro sentimento ao ter atitude tão cruel. Maltratar animal é crime e vocês, como instituição de respeito, não podem ser omissos em ter uma pessoa desequilibrada como ele, cuidando principalmente de crianças", diz uma das publicações, afirmando que o médico é pediatra no hospital.

Não diferente do Caron, as páginas dos hospitais Pequeno Príncipe e Nossa Senhora das Graças em Curitiba, locais em que o médico também atua, seguem com o mesmo teor de comentários, porém, de forma não tão corriqueira. "A população brasileira está esperando um pronunciamento de vocês a respeito do médico monstro assassino que trabalha com vocês", publicou uma internauta. "O Medico assassino ainda trabalha nesse hospital?", pergunta uma outra postagem.

Posicionamento dos hospitais

Procurando um parecer sobre o caso junto a direção dos hospitais, nossa reportagem entrou em contato com o setor de assessoria de imprensa de cada um deles. Os hospitais que responderam até o momento foram o Angelina Caron e o Pequeno Príncipe. Do Hospital Nossa Senhora das Graças ainda aguardamos retorno.

Nota oficial do Hospital Angelina Caron

"O Hospital Angelina Caron defende o respeito à vida e direciona seus esforços diários para garantir o melhor tratamento aos seus pacientes e à comunidade em que atua. Sobre a denúncia que envolve profissional prestador de serviço em cinco instituições de saúde de Curitiba e Região, o HAC entende que os fatos - ocorridos fora do hospital – devem ser investigados, seguindo os trâmites legais e judiciais adequados".

Hospital Pequeno Príncipe

Por meio de nota enviada à nossa redação, o hospital afirmou o seguinte:

"O Hospital Pequeno Príncipe destaca que defende a vida em todas as suas formas e trabalha, diariamente, na sua área foco, para garanti-la. Em relação à denúncia contra o médico citado que presta serviço na área de cardiologia do hospital, além de outras quatro organizações em Curitiba, a instituição entende que tais denúncias devem ser avaliadas no âmbito da legislação, seguindo todos os trâmites legais e ouvindo todos os envolvidos. O hospital reforça que a vida é o bem mais precioso que existe".

Hospital Nossa Senhora das Graças

Aguardando resposta

CRM-PR divulga nota

O Conselho Regional de Medina do Paraná (CRM-PR), entidade de fiscalização e normatização da prática médica no estado, divulgou uma nota de esclarecimento sobre o caso.

"O CRM-PR informa ter tomado conhecimento por veículos jornalísticos e redes sociais sobre episódio ocorrido na Grande Curitiba, envolvendo profissional devidamente inscrito nesta autarquia e que foi acusado de provocar a morte de animal doméstico.

O Conselho lamenta o fato, mas reitera não ser sua competência legal a análise de questões alheias à atuação específica do exercício da Medicina. Entende tratar-se de questão comportamental, que deve ter suas circunstâncias apuradas nas esferas competentes, que não estão no alcance deste órgão, eis que o médico não estava no exercício de sua função profissional.

Importante ressaltar ainda que, sob o aspecto técnico no desempenho de suas atividades assistenciais a pacientes, nada existe que desabone a sua conduta ética nestes 24 anos de formado como médico e com especialidades registradas em pediatria e pediatria cardiológica."

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ

Repercussão fora do Paraná


O caso ganhou também repercussão fora do Paraná e chegou em outros estados, a exemplo do Rio Grande do Sul. O vereador de Porto Alegre, Rodrigo Maroni, que se intitula um defensor da causa animal, usou recentemente sua página, no facebook, para falar sobre o ocorrido. Até o momento o vídeo ultrapassa 350 mil visualizações.

O parlamentar inicia a gravação com a seguinte fala: "Lamentavelmente temos criminosos em todas as profissões. Independente de qualquer coisa é uma pessoa (o médico) canalha, criminosa, covarde e perigosa. Eu quero que o Brasil todo denuncie", diz o vereador. CLIQUE AQUI para ver o vídeo completo.

Manifestação

Uma manifestação organizada pela ong "Patinhas Pinhais" está marcada para acontecer nesta sexta-feira (3), das 19H30 às 20h30, no mesmo local em que a cachorra foi morta. Até o momento 140 pessoas confirmaram presença no evento criado no facebook; enquanto outros 321 internautas demonstraram interesse pela causa. O grupo também criou a hashtag #JustiçaPelaGracy.


1/1

1/4

1/7

1/1

1/6

1/5