495450580893305 Mulher reencontra mãe após 53 anos no Hospital Adalto Botelho

Mulher reencontra mãe após 53 anos no Hospital Adalto Botelho


Uma história comovente e emocionante, que trouxe uma nova esperança e felicidade a uma família da região metropolitana de Curitiba. O caso aconteceu no Hospital Adaldo Botelho, em Pinhais. Agora a família poderá passar o ano novo com sua mãe, após 53 anos de buscas incessantes. A procura pela dona Enedina, que tem quase 100 anos de idade se encerrou na terça- feira (11) do mês passado. Izabel da Silva Mota encontrou a mãe, internada no local, e contou que estão à procura da mãe a mais de cinco décadas. Os funcionários do hospital ajudaram na localização da família.

A família de dona Enedina, procura por ela desde agosto de 1961. Na época, ela deixou a casa em que morava com a família, após uma briga e nunca mais foi vista. A filha, Izabel, conta que seu pai morreu com remorso por não ter encontrado a mulher.

“Ele chorava, quando falava dela, que ele era um homem revoltado. E, de fato, ele levou para o túmulo, no coração dele, aquela revolta de nunca ter encontrado a minha mãe”, lembra.

Ninguém conseguiu conter a emoção na hora do reencontro e as lágrimas foram inevitáveis.

A busca

Dona Enedina deu entrada no hospital psiquiátrico em 1980. Os documentos não relatam quem a levou para ser internada, nem o motivo. Mas isso não foi impedimento para que a equipe da unidade procurasse pela família da idosa. “Fazer uma busca, um levantamento dessas informações dos pacientes e tentar cruzar com informações da internet. Em uma dessas situações, a gente encontrou a família de uma moradora aqui, que estava procurando por ela, que é a dona Enedina”, explica a enfermeira Denise Paulino.

Este também é o caso de outros 18 pacientes que moram no hospital mantido pelo governo estadual. De acordo com a administração, a maioria foi deixada por parentes, que nunca mais voltaram para buscá- los. E assim como no caso da quase centenária Enedina, os funcionários continuam se esforçando para tentar achar a família dessas pessoas. As buscas continuam, mas dona Enedina voltará a viver com a família.

“Meu fim de ano vai ser muito feliz. Faltava a minha mãe e hoje ela está aqui do meu lado”, diz Izabel, que para ela o reencontro da mãe, garantiu mais do que paz. A neta de Enedina, Eliete Mota do Nascimento, completa. “Creio que o Senhor vai ainda prorrogar a idade dela por mais uns anos, para a gente curtir ela. Porque ela vai ser muito amada”, garante. A família voltou ainda nesta terça-feira a São Paulo, onde moram, levando a idosa para conhecer também os outros netos, bisnetos e tataranetos.

#mulherreencontramãeapós53anosnohospitaladaltobotelho

1/1

1/4

1/7

1/1

1/6

1/5