495450580893305 PM descarta envolvimento de facções criminosas na morte de policiais militares

PM descarta envolvimento de facções criminosas na morte de policiais militares



A Polícia Militar do Paraná divulgou nesta quarta-feira (20) uma nota na qual descarta o envolvimento de facções criminosas nas mortes dos policiais militares Nilson Pinheiro da Veiga e James Wilson Camargo, ocorridas na noite desta terça-feira (19), no bairro Mauá, em Colombo e no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. Os dois crimes ocorreram com a diferença de cerca de cinco minutos entre um e outro e deixou a corporação da PM em alerta para possíveis novos ataques.

Na publicação, a PM informou que vai apurar as circunstâncias que resultaram na morte dos militares estaduais, por meio de procedimento interno, mas a prevalência de investigação será da Polícia Civil. “Os levantamentos feitos até agora, tanto pelo Serviço de Inteligência da Polícia Militar, quanto pela Polícia Civil e Departamento de Inteligência do estado, apontam que são casos isolados e sem ligação com o crime organizado”, esclarece o Comandante Geral da PM, coronel Maurício Tortato. O soldado Nilson Pinheiro da Veiga, lotado do 20º Batalhão de Polícia Militar (20º BPM), tinha 38 anos e há quase oito anos era policial militar (este policial foi morto no Sítio cercado e estava afastado do serviço operacional para tratamento de saúde). Já o soldado James Wilson Camargo, pertencia ao 22º BPM, tinha 39 anos, e atuava como policial militar há 17 anos (este militar estadual foi morto em Colombo e também estava afastado do serviço operacional devido a tratamento de saúde). Ambos os policiais militares estavam de folga no momento dos crimes. “A Polícia Militar agradece a pronta resposta do Delegado-Geral da Polícia Civil, Júlio Cezar dos Reis, que nos colocou à disposição o Sistema de Inteligência daquela instituição, a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o Denarc (Divisão Estadual e Narcóticos), todos em apoio à investigação criminal nas situações dos dois fatos, imediatamente após o ocorrido, para que o mais breve possível possamos ter a elucidação dos fatos”, destaca Tortato. As redes de mídias sociais comentaram sobre outros dois policiais (um no Campo Comprido) que teriam sido vítimas de ataques, no entanto o Comando Geral esclarece que não houve registros sobre estes casos. “Isso não está confirmado, é apenas fruto da viralização nas redes sociais que não conferem a verdade; tivemos, de concreto, as duas mortes que caracterizam uma tragédia, uma coincidência lamentável, mas que devem ser esclarecidas em breve”, afirma Tortato. PRIMEIRO CRIME


O primeiro homicídio aconteceu por volta de 20h18 na Rua Doutor Levy Buquera, no bairro Sítio Cercado. Segundo relatos repassados à PM, por pessoas que teriam presenciado o crime, o soldado Nilson Pinheiro da Veiga estava em um Fiat Palio, de cor prata, conversando com um homem quando um Fiat Tipo, de cor prata, e suspeitos, em uma moto, teriam se aproximado e efetuado disparos de arma de fogo contra o policial militar, fugindo em seguida. O soldado Pinheiro foi socorrido por uma ambulância do Samu e levado ao posto de saúde do Sítio Cercado, mas não resistiu. SEGUNDO CRIME


O segundo crime aconteceu por volta de 20h23, nas proximidades de um posto de combustíveis na BR 116, sentido São Paulo, no município de Colombo (PR). As equipes policiais de serviço foram acionadas por meio do Centro de Operações Policiais Militares (COPOM) e informadas de que havia um homem ferido por disparos de arma de fogo no posto de combustível Mauá, na Vila Zumbi dos Palmares. No local desse crime, a vítima, um policial militar de folga, estava num veículo Celta, de cor vermelha. A equipe policial ouviu de testemunhas que o PM teria sido abordado por um homem que usava regata vermelha e que com uma arma em punho fez disparos contra o policial. Após o crime, o suspeito fugiu. O Siate foi acionado para socorrer o militar estadual, mas ele acabou entrando em óbito no hospital. O colete balístico e a arma do PM foram recolhidos à corporação. Em ambos os casos, a Polícia Civil compareceu aos locais e dará procedimento às investigações para apontar a autoria dos crimes.

(Fotos: Divulgação)


1/1

1/1

1/6

1/1

1/1