Polícia Civil de Campina identifica dois suspeitos da morte de motorista no Santa Rita



As investigações sobre a morte do motorista Enoque Pereira, 41 anos, ocorrido em abril do ano passado, no bairro Santa Rita, em Campina Grande do Sul, ganharam um novo episódio nos últimos dias, com a prisão de dois suspeitos de envolvimento no crime. Na época, a vítima foi executada a tiros em sua residência, na rua Pedro Stelmack, quase esquina com rua Aurélio Simione.

Nesta terça-feira (30) a Polícia Civil do município, comandada pelo delegado João Marcelo Renk Chagas, cumpriu cinco mandados de busca e apreensão nas cidades de Campina Grande do Sul e Curitiba, onde em uma das operações obteve êxito em localizar e deter um dos envolvidos no caso.

Valtenecir Machado, 37 anos, vulgo “Véio” foi preso no bairro Boa Vista, na capital. Já o outro suspeito identificado como Leandro Almeida Barbosa, de 26 anos, conhecido como “Boquinha”, permanecia preso na unidade policial desde o dia 21 de maio. Barbosa foi preso em flagrante por agentes da Guarda Civil Municipal após ser flagrado portando um revólver calibre 38. O armamento foi apreendido e encaminhado à perícia para verificar se o revólver foi o mesmo utilizado para execução da vítima.

Motivação do crime


De acordo com as investigações, o crime foi motivado porque o motorista não concordava que as filhas mantivessem contato com os dois suspeitos. “Pelo fato dos dois serem usuários de drogas, o pai sempre se mostrou preocupado com as filhas e nunca concordou que elas saíssem com eles”, comentou o delegado João Marcelo Renk Chagas.

No dia do crime, a vítima foi chamada pelo atirador no portão de casa. “Assim que o homem se aproximou do veículo, o motorista desceu e efetuou vários disparos contra ele. Um dos tiros acertou o peito e os demais as costas. Ele correu em direção à sua casa, mas acabou caindo morto no interior da residência”, complementou o delegado.

Um laudo do IML comprovou o relatado pela investigação, de que a causa da morte de Enoque foi lesão cardíaca provocada por três projéteis de arma de fogo. Os dois suspeitos permanecem presos na delegacia local e devem responder por homicídio qualificado, em que a pena varia de 12 a 30 anos de prisão.

(Fotos: Polícia Civil e Adilson Santos)


1/1

1/1

1/3

1/1

1/6