495450580893305 Prefeita de Colombo diz que Santa Casa deve ser reaberta até novembro e obras na Rodovia da Uva reto

Prefeita de Colombo diz que Santa Casa deve ser reaberta até novembro e obras na Rodovia da Uva reto


A prefeita de Colombo, Beti Pavin (PSDB), foi a sétima convidada do radialista Geovane Barreiro na série de entrevistas que avalia a administração pública na região metropolitana de Curitiba. Durante o Jornal da Banda B 2ª Edição, na tarde desta quarta-feira (22), ela disse que o momento é de muita dificuldade para se administrar e que a pavimentação asfáltica segue sendo um dos grandes desafios para se enfrentar. A prefeita também falou sobre as obras de duplicação na Rodovia da Uva, que estão paradas por problemas burocráticos.


Confira trechos da entrevista abaixo:

Economia

Logo no início da entrevista, Beti Pavin falou sobre o momento em que o país passa e afirmou que, apesar da crise, Colombo vem conseguindo avançar em vários aspectos. “Nesses três anos e meio de gestão, conseguimos colocar em execução 300 grandes obras, sendo elas em sua maioria com recursos próprios. O momento é sim de dificuldade econômica, temos uma arrecadação baixa perto da nossa população e buscamos sempre priorizar saúde e educação, então muitas vezes precisamos nos debruçar para dividir em outras áreas”, disse.

Rodovia da Uva

A expectativa da prefeita é que a obra de duplicação na Rodovia da Uva seja retomada em julho deste ano. Ela explicou os motivos para a dificuldade em terminar o empreendimento, que é importante para a população colombense. “É uma obra do Governo do Estado e uma empresa ganhou a licitação, mas acabou quebrando durante as obras. Chamaram então uma segunda empresa que também não conseguiu tocar em frente. Agora uma terceira empresa vai tocar a obra. A informação que nós temos é que essa empresa aceitou e agora restam apenas trâmites legais para que os trabalhos recomecem. Vamos torcer e rezar para que comece a partir deste mês de julho”, afirmou.

Educação

Apontada pela prefeita como a grande prioridade da gestão, a educação também foi tema da conversa. Pavin comentou que hoje a prefeitura atende 30 mil alunos e que muitas vezes tira dinheiro de outras áreas para investir neles. “É um investimento que tenho certeza que vale a pena. Hoje as crianças recebem o material escolar, uniforme e esse ano conseguimos até dar uma jaqueta para o frio. Felizmente temos uma merenda de muita qualidade e mais da metade do nosso quadro de servidores é da educação, o que é muito importante que assim seja”, comentou.

Ela falou ainda sobre a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e admitiu que são necessárias melhorias no espaço. “Quando a prefeitura cedeu o espaço, eu era vice-prefeita. Tentamos parecerias para a ampliação, mas acabamos com esse momento difícil do país. Sabemos que ela precisa avançar e estamos até mesmo buscando um espaço novo. Espero que o Brasil saia logo dessa crise para a gente conseguir fazer”.

Saúde

Sobre saúde, Pavin disse ver uma melhora significativa desde o início da gestão, mas afirmou que as administrações possuem muitas dificuldades na questão profissional. “Isso é um problema de várias cidades, são poucos médicos para o tanto de atendimento e os que temos muitas vezes também trabalham em outros lugares. Nossos enfermeiros e agentes de saúde fazem um trabalho muito importante com a comunidade e estamos conseguido atender na medida do possível”, disse.

Pavin lamentou ainda o fechamento da Santa Casa na gestão anterior e afirmou que o hospital voltará a atender 24 horas em breve. “O Conselho Regional de Medicina nos colocou uma reabertura em três fases. No momento estamos conseguido fazer atendimentos eletivos e acredito que entre setembro e novembro, estará com funcionamento integral”.

Pavimentação

Por fim, ela falou sobre a pavimentação da cidade e afirmou que 60 quilômetros já foram feitos desde o início da gestão. “Quando assumimos a gestão, eram aproximadamente 200 ruas que os moradores estavam pagando, então buscamos separar os recursos e aquelas com mais de 60% pagos, estamos executando. Já colocamos mais de R$ 30 milhões para a execução das obras, mas ainda é um desafio em nossa cidade”, concluiu.

Ainda em pavimentação, Pavin comentou uma dificuldade antiga dos moradores, que são os alagamentos. Ela explicou que com a colocada de asfalto, os pedaços de terra diminuem e é necessário um trabalho diferente de drenagem, que vem passando por estudos na prefeitura.

(Foto:Reprodução Facebook)


1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/7

1/5

1/6