495450580893305

Santa Casa de Colombo é liberada parcialmente pelo CRM-PR



O Conselho Regional de Medicina do Paraná liberou parcialmente a Santa Casa de Colombo após dois anos e meio de interdição. A Santa Casa precisou de reformas e assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta perante o CRM- PR. Com o encerramento da primeira fase prevista no TAC, a Santa Casa poderá agora reabrir os serviços ambulatoriais de especialidades. “Esta é a prova da nossa confiança no trabalho de vocês”, frisou o conselheiro gestor do Departamento de Fiscalização do CRM-PR, Carlos Roberto Goytacaz Rocha, durante a visita. Para o presidente do Conselho, Luiz Ernesto Pujol, “a expectativa é que este reinício seja de fato um novo começo e abra caminho para as próximas fases previstas no TAC, principalmente no que diz respeito ao repasse de verbas prometido”. Também estiveram presentes o advogado do CRM-PR, Martim Palma, o diretor administrativo da Santa Casa, Carlos Alberto Foltran Rodrigues, e o diretor financeiro, Diogo Araguaia Vasconcelos.

Para que a Santa Casa pudesse reabrir o atendimento ambulatorial, ela deveria cumprir os pré- requisitos determinados pela primeira fase da TAC, devendo apresentar o plantão médico; alvará de liberação do Corpo de Bombeiros para essa fase; comprovação de hospital de referência conveniado para casos de emergência; radioproteção de raio- x; laboratório que realizará análises clínicas; comprovação de quem arcará com a responsabilidade financeira pelo funcionamento do serviço; alvará de funcionamento da vigilância sanitária do município e do estado; e plano de trabalho para a reabertura.

Ainda, de acordo com o plano de abertura apresentado pela Santa Casa, a primeira fase de reabertura deverá acontecer mediante a disponibilização de consultórios médicos, triagem, recepção, depósito, expurgo, depósito de material de limpeza, estar médico, sala de coleta, sala de raio-x e laudo de raio-x. A última fiscalização do CRM-PR no local foi no dia 17 de agosto.

Segunda fase

Já para que a segunda fase de abertura seja autorizada, a Santa Casa terá o prazo de 180 dias para apresentar a infraestrutura necessária para ativar o centro cirúrgico e o internamento. Para finalizar a interdição ética por completo, a última fase, após mais 180 dias, contemplará abertura do pronto atendimento e UTI. Atendendo a todos os requisitos necessários, no prazo aproximadamente de um ano a Santa Casa deverá estar completamente reaberta.

Interdição

A Santa Casa de Colombo está interditada desde 11 de janeiro de 2012. Na época, o atual gestor do Defep, Carlos Roberto Goytacaz Rocha, era o presidente. “A interdição foi necessária, pois o estabelecimento não apresentava condições mínimas de funcionamento, problemas sérios de infraestrutura que comprometiam o atendimento à população. Durante todo esse tempo as providências ainda não haviam sido tomadas. Com o TAC estamos atendendo às solicitações da prefeitura, da instituição e também do governo do estado para que a população não fique sem atendimento, mas é necessário que eles tenham um hospital que funcione de verdade, afirmou. Dr. Goytacaz ainda aponta que os problemas também estão na gestão e na vontade política. “Se o governo não aplicar dinheiro na instituição, não tem como funcionar”, completou.

(Foto: Divulgação)


1/1

1/10

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/2