495450580893305

Suspeitos de extorsão na capital são presos em Campina Grande do Sul



Um crime de extorsão contra um empresário do ramo imobiliário, foi esclarecido nesta semana pela Polícia Civil do Paraná. Dois suspeitos de envolvimento no crime foram presos em frente a um estabelecimento comercial em Campina Grande do Sul. A ação ocorreu após uma série de investigações que culminou também na apreensão de duas armas de fogo.

Maikon Michel Fernandes, mais conhecido como “Japa”, 34 anos, foi detido em flagrante no momento em que recebia um revólver calibre 38 de Joel Cardoso dos Santos, 54 anos.

A polícia chegou até a dupla após identificar Fernandes como participante de um crime de extorsão ocorrido 28 de novembro deste ano, quando armados, ele e mais um homem identificado como Fabricio da Silva Paes, 30 anos – já preso – abordaram o empresário no momento em que ele chegava em seu trabalho, no bairro Tarumã.

Os suspeitos teriam entrado no carro da vítima, uma Mitsubishi branca, exigindo dinheiro. A vítima disse a dupla que precisaria sacar a quantia. O empresário foi liberado no estacionamento de um supermercado na promessa de que iria sacar para os suspeitos o valor de R$ 50 mil.

EXTORSÃO – Após a vítima ser liberada, a dupla começou a fazer constantes ligações para o empresário nas quais exigiam, sob graves ameaças, que a vítima lhes entregasse a quantia exigida. Paes foi preso no exato momento em que usava um telefone público para extorquir a vítima, porém Fernandes ainda permanecia foragido.

“As diligências continuaram e através de um trabalho constante de campo e inteligência conseguimos chegar até o segundo suspeito do crime”, relata o delegado-titular da DFR, Matheus Laiola.

Conforme investigações, Fernandes possuí uma extensa ficha criminal com passagens por roubo, porte ilegal de arma de fogo, receptação, adulteração de sinal de veículo automotor e por homicídio.

O crime de homicídio cometido pelo suspeito aconteceu no ano de 2011, no município de Colombo, quando Fernandes acabou assassinando a sua própria esposa, morta com dois tiros na frente da filha, na época com 4 anos de idade.

Segundo o delegado, Fernandes é uma pessoa bastante perigosa. “Com essa prisão tiramos de circulação um indivíduo de alta periculosidade. É importante ressaltar, que apesar de ter saído da prisão há pelo menos um mês, já voltou a praticar crimes graves e mesmo após a prisão de seu comparsa, foi detido no momento em que buscava outra arma de fogo, com a qual, certamente iria praticar novos delitos”, conclui.

Fernandes responderá pelos crimes de extorsão majorada e porte ilegal de arma de fogo com numeração suprimida. Se condenado poderá pegar de 11 a 27 anos de prisão. Já Santos responderá por porte ilegal de arma de fogo com numeração suprimida, podendo pegar de 3 a 6 anos de prisão.

(Foto: Polícia Civil)


1/1

1/10

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/2