495450580893305

"Toco" é preso em condomínio de luxo em Quatro Barras durante operação do Cope



Um homem identificado como Juscelino Ribeiro de Souza, popularmente conhecido como “Toco” foi preso na manhã desta sexta-feira (3) em um condomínio de luxo localizado na Avenida 25 de Janeiro (Estrada da Graciosa) em Quatro Barras, durante a “Operação Squamata” deflagrada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) da Polícia Civil do Paraná. Ele é apontado como sendo o mandante de uma quadrilha de roubo de cargas que agia na região de Curitiba e também no estado de Santa Catarina.

De acordo com as investigações do Cope, o patrimônio de “Toco” estaria avaliado em R$ 6 milhões divididos em vários carros de luxo e um helicóptero. Ele já havia sido preso em 2013 por envolvimento no roubo de carga de polipropileno na cidade de Araquari, em Santa Catarina. “Toco” já tem passagem pela polícia por roubo, roubo de carga, receptação e desmanche de caminhões.

Ao todo dez pessoas estavam sendo investigadas, dessas, 7 pessoas foram presas, entre elas um policial civil que teria envolvimento com a organização criminosa. Eles são acusados de pelo menos cinco roubos de carga. Dos dez, sete foram presos, dois já estavam detidos e um está foragido. Com a quadrilha, os policiais apreenderam um helicóptero e carros de luxo usados pelos criminosos.


Entre os veículos apreendidos estão dois do modelo Audi, um Porsche, um Renegade, uma Lamborghini, modelo Gallardo (que está batida), uma Amarok, uma Ford Ranger, um Ford Focus, um modelo Gol e um jet-ski. Também foram encontrados R$ 3 mil em dinheiro, armas, celulares, computadores, documentos e um equipamento capaz de cortar sinal de celular e de GPS. Só os bens apreendidos na operação são avaliados em mais de R$ 3 milhões – a aeronave tem o valor estimado em R$ 1 milhão. Além dos detidos, três pessoas foram conduzidas coercitivamente – quando são obrigadas a prestar depoimento na delegacia – e outras duas não foram encontradas. Os policiais cumpriram ainda 13 mandados de busca e apreensão. A operação policial, que contou com mais de 50 homens, aconteceu em Curitiba, na Região Metropolitana e em Morretes, no Litoral do Estado.


A quadrilha agia, principalmente, em São José dos Pinhais nas BR’s 116, 277 e 376 – rodovias federais por onde trafegam caminhões e cargas entre o Norte e o Sul do país e também ao interior do Paraná. Além disso, os investigados atuavam em postos de combustíveis que servem de parada de descanso para os motoristas dos caminhões. A investigação levou quase seis meses e começou depois do roubo de uma carreta com carga de pneus, ocorrido na noite do dia 17 de janeiro deste ano, em São José dos Pinhais. A quadrilha tentou transportar esta mercadoria para Paranaguá, mas foi abordada pelos policiais. A polícia então descobriu que a carroceria na qual era levava a carga de pneus foi colocada em outro caminhão que, segundo a investigação, pertence a um familiar do policial civil – preso durante a operação. A prisão das sete pessoas é temporária, de cinco dias, podendo ser revertida em preventiva. Eles ficarão detidos na sede do Cope à disposição da Justiça. Já o policial civil, que foi preso por policiais da Corregedoria da Polícia Civil, ficará na Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos. Será aberto um procedimento administrativo contra o agente público que pode resultar até na expulsão dele da Polícia Civil. Além disso, a Corregedoria vai abrir um inquérito para apurar o envolvimento do policial civil com a organização criminosa.

Conforme informações repassadas pela Polícia o líder da quadrilha (Toco) e os demais presos vão responder pelos crimes de roubos de cargas, receptação, adulteração de sinais identificadores de veículos, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, dentre outros.

(Fotos: Polícia Civil)


1/1

1/10

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/1

1/2