495450580893305 Vacina contra a febre amarela já está disponível em Quatro Barras e Campina Grande do Sul

Vacina contra a febre amarela já está disponível em Quatro Barras e Campina Grande do Sul



Os municípios de Quatro Barras e Campina Grande do Sul já estão na rota das regiões onde a população precisa se vacinar contra a febre amarela. O ideal é que crianças dos nove meses a adultos com até 59 anos sejam imunizados. Acima desta faixa etária é preciso ter indicação médica.


Em Quatro Barras, a vacina está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde, já em Campina Grande do Sul, a imunização acontece em sete UBS, sendo elas: Manoel A. Kustel (Araçatuba); João Hamilton Belo (Santa Rosa); Adelque Bossardi (Jardim Flórida), Conceição Maria de Andrade (Jardim Paulista); Dacyr Siqueira (Sede); Henrique Ferreira (Timbu), e Paiol de Baixo.


A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Colombo para verificar se já a vacina já está disponível nas unidades de saúde do município, mas ainda não obteve resposta.


CONTÁGIO - A população de maior risco à exposição ao vírus é a que reside em áreas rurais, de matas, ou que costume frequentar áreas silvestres, tanto por trabalho quanto esporadicamente por turismo. Até o momento foi confirmado um caso da doença no Paraná, apesar disso, a Secretaria Estadual da Saúde também confirmou a notificação de outros 29 casos, que estão sob investigação.

SINTOMAS – De acordo com informações do Ministério da Saúde, a Febre Amarela pode ser identificada por sintomas como início súbito de febre, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal) e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos.


QUEM NÃO PRECISA SE VACINAR – Apesar da imunização ser importante, é bom lembrar que a vacina é contraindicada às pessoas que já receberam a dose em algum momento da vida, além de crianças menores de nove meses de idade, portadores de HIV, pacientes com imunodepressão de qualquer natureza ou em tratamento com drogas imunossupressoras, pessoas submetidas a transplante de órgãos, com imunodeficiência primária ou com neoplasia, indivíduos com histórico de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina, como o ovo de galinha e derivados, pacientes com história pregressa de doença do timo e mães que estejam amamentando crianças até seis meses de idade também não devem ser vacinadas, devido ao risco de transmissão do vírus.


(Foto: Divulgação/Ministério da Saúde)

1/1

1/4

1/7

1/1

1/6

1/5