495450580893305 Facebook remove contas ligadas ao MBL, que divulgavam fake news

Facebook remove contas ligadas ao MBL, que divulgavam fake news


A ação busca reprimir perfis enganosos antes das eleições. As informações foram repassadas por fontes sigilosas à Agência Reuters

O Facebook retirou do ar uma rede de páginas e contas usadas para divulgação de fake news por membros do grupo ativista de extrema-direita Movimento Brasil Livre (MBL). A remoção aconteceu nessa quarta-feira (25), com a finalidade de reprimir perfis enganosos antes das eleições de outubro. As informações foram repassadas por fontes, sob condição anônima, à agência de notícias Reuters.

As páginas desativadas, intituladas de Jornalivre e O Diário Nacional, de acordo com as fontes, tinham mais de meio milhão de seguidores e disseminavam inúmeras notícias sensacionalistas e temas políticos, com uma abordagem conservadora.

Ainda segundo as fontes, ao deturpar o controle compartilhado das páginas, os membros do MBL eram capazes de divulgar notícias como se essas viessem de diferentes veículos de comunicação independentes.


Em um comunicado, o Facebook informou que desativou 196 páginas e 87 contas no Brasil, que faziam parte de “uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”. O comunicado não identifica as páginas ou usuários envolvidos.

Além disso, o Facebook também confirmou que retirou a rede do ar no Brasil após uma “rigorosa investigação”, porque os perfis envolvidos eram falsos ou enganadores, violando sua política de autenticidade. No ano passado, a empresa reconheceu que sua plataforma havia sido utilizada para a criação de perfis falsos e outros métodos que tentavam influenciar a opinião pública durante a eleição norte-americana de 2016, após isso, o Facebook prometeu combater as fake news.

SOBRE O MBL - O grupo tornou-se reconhecido após liderar protestos em 2016 pelo impeachment da então presidente Dilma Roussefff. O estilo agressivo de política online promovida pelo MBL contribuiu para polarizar o debate no Brasil.


1/1

1/1

1/3

1/1

1/6